Gálatas

 Autoria
Com exceção de poucos teólogos do século XIX, desde sua introdução ao cânon, a carta ou livro de Gálatas é atribuída à autoria do apóstolo Paulo, como fica claro no versículo que abre a obra(1.1).a época em que essa epístola foi escrita, a expressão Galácia era usada normalmente em dois sentidos: geográfico e político. No primeiro sentido, referia-se à parte centro-norte da sia Menor,ao norte das cidades de Antioquia da Pisídia, Icônio, Listra e Derbe; no segundo, tinha a ver coma organização da província, por volta do ano 25 a.C., e que incluía essas cidades e mais alguns distritos ao sul, sob o comando geral e absoluto do Império Romano.

Propósitos

O grande propósito de Paulo ao escrever esse tratado foi instruir os cristãos da região da Galácia sobre a justificação exclusiva e absoluta em Jesus Cristo, o Messias e Filho de Deus. Os mestres cristãos judaizantes tinham procurado convencer os gálatas a se revoltarem contra Paulo e seus ensinos e os estavam orientando a praticar todos os principais rituais da lei, pois,como eram gentios, tinham que ser circuncidados (5.2 – 6.12-15) e, segundo esses mestres,deviam também viver um cristianismo baseado nas ordenanças e na tradição judaica, a fim de serem salvos (4.10).Os judaizantes eram cristãos judeus que não conseguiam compreender a nova realidade da salvação pela graça de crer no sacrifício único, suficiente e vicário do Senhor Jesus. Eles criam que Jesus era o Messias prometido, mas também acreditavam no dever de cumprir as ordenanças mosaicas e, especialmente, todos os cerimoniais. Logo após a cruzada missionária de Paulo na Galácia, os judaizantes recrudesceram quanto ao legalismo teológico, por influência e receio de serem perseguidos pelos judeus zelotes. E começaram a obrigar os gentios, novos convertidos ao cristianismo, a passar também pelos ritos de circuncisão, acepção de alimentos, guarda do sábado,demais dias sagrados etc. (6.12). Os judaizantes iam além e procuravam difamar a pessoa e o ministério de Paulo, alegando que o apóstolo não era um genuíno membro do grupo original dos primeiros discípulos de Cristo, e que havia suavizado as ordenanças de Deus, a fim de tornar sua mensagem e doutrina mais atraentes aos gentios. Paulo vindica a sua plena autoridade apostólica e condena os ensinos dos judaizantes como legalismo anticristão. Os crentes em Jesus Cristo, quer judeus ou gentios (povos de todas as etnias e culturas), conforme a doutrina paulina, desfrutam em Cristo da absoluta e eterna salvação, porquanto foram justificados(3.6-9), adotados (4.4-7), renovados (4.6; 6.15) e transformados em plenos herdeiros de Deus,segundo as próprias promessas da aliança abraâmica (3.15-18). Portanto, a fé no sacrifício e no culto do Cristo na Cruz nos liberta para sempre da necessidade de buscar justificação e salvação mediante as obras e, especialmente, por meio do cumprimento de rituais e datas cerimoniais. Essa busca se torna destituída de poder visto que a Lei não produz salvação, mas morte (3.10-12),porquanto não fora criada com propósito salvífico (3.19-24). Confiar apenas nas obras e na Lei,com o fim de ser salvo, nos conduz à mesma escravidão sob a qual vive o povo judeu que ainda não recebeu a Cristo, como Salvador e Senhor de suas vidas (4.21-24). Por essa razão, os crentes não devem procurar voltar às tradições judaicas, ao cumprimento das exigências de leis religiosas como base de segurança para sua salvação, porquanto, agindo erroneamente dessa forma, estarão perigosamente submetendo suas vidas a uma escravidão da qual já fomos libertos por Jesus Cristo(5.1-4). Os cristãos devem, isso sim, depositar plena fé e segurança na liberdade que Cristo nos outorgou, servindo a Deus e aos semelhantes mediante o poder do Espírito de Deus, como novos seres humanos, livres em Cristo (5.13-18) e, assim, cumprindo com júbilo espiritual a vontade do nosso Salvador (6.2).

Data da primeira publicação
Certamente, essa carta de Paulo aos Gálatas começou a circular entre os cristãos por volta dos anos 48 e 58 d.C. Contudo, ainda não há evidências mais precisas, pois o estabelecimento exato da data depende do primeiro destino da carta. Os primeiros estudiosos afirmavam que Paulo havia enviado esta epístola de Efeso entre os anos de 53 e 57 d.C. endereçado-a primeiro às igrejas localizadas no centro-norte da sia Menor (Pessino, Ancira e Távio). Outros historiadores acreditam que Gálatas foi escrita preferencialmente às igrejas fundadas pelo apóstolo em sua primeira viagem missionária, na região sul da província romana da Galácia (Antioquia da Pisídia,Icônio, Listra e Derbe). Alguns, ainda, defendem que essa carta teria sido escrita em Antioquia da Síria ou Corinto, por volta do ano 50 d.C, depois dessa primeira viagem, mas antes da reunião do Concílio de Jerusalém (At 15).

Esboço geral de Gálatas

1.Saudação de Paulo, apóstolo de Cristo, aos Gálatas (1.15).
Paulo procura trazer as ovelhas do Senhor de volta ao bom aprisco (1.6-9)3.
A plena autoridade apostólica de Paulo e sua idoneidade (1.10 – 2.21) 
A.Paulo só pregava o Evangelho que Cristo lhe revelara (1.10-24)
B.A mensagem de Paulo reconhecida pelos demais apóstolos (2.1-10)
C. Paulo, sob o poder do Espírito, repreende a Pedro (2.11-21).Como ser salvo após a vinda e obra de Jesus Cristo, o Messias? (3.1-4.31) A.A salvação é só pela fé em Cristo, não por meio de obras (3.1-14)B.A salvação em Cristo é pela Promessa, não fruto da Lei (3.15-22)C. Todos os crentes são promovidos a filhos de Deus (3.23 – 4.7)
D.Paulo suplica aos crentes para que tenham bom senso (4.1-7)
E.Não há inteligência nem fé em voltar à escravização (4.8-11)
F.Por que se revoltar contra o apóstolo do Senhor? (4.12-20)G. Confiar só na Lei é voltar a ser escravo do pecado (4.21-31). O caminho da verdade e da plena liberdade (5.1 – 6.18) 
A.Não sacrificar a boa liberdade pela algema do legalismo (5.1-12)
B.Liberdade não é libertinagem ou falta de disciplina (5.13-26)
C. A verdadeira liberdade é o serviço cristão dedicado (6.1-10)
D.A vida cristã é feita de sacrifícios voluntários por Jesus (6.11-18).

NOVO TESTAMENTO

Quem caminha com Cristo, deve fazer a leitura do N.T. conforme a sequência que se segue, sem leitura orientada, a fim de que cada um, de si mesmo, verifique o significado do Evangelho sem as leituras pré-condicionantes aprendidas na religião. É preciso aprender a olhar as Escrituras a partir do Evangelho.

O EVANGELHO É A BOA NOVA


O Evangelho é a Boa Nova. O Evangelho é a certeza de que Deus se reconciliou com o mundo, em Cristo; e que agora os homens podem se desamedrontar, pois foi destruído aquele que tem o poder da morte — a saber: o diabo —; bem como foram libertos aqueles que estavam sujeitos à escravidão do medo da morte por toda a vida. Quem crer está livre, e pronto para começar a andar na paz”.

☛ QUERIDOS SEGUIDORES

☛QUERIDOS SEGUIDORES DO GOOGLE+

☛ Comentários Recentes

Minha lista de blogs