Postagens Aleatórias

O Caminho

"Fora do Caminho da Graça em Cristo, não há caminho a ser feito!"

Porque Sirvo A Deus

  

Satanás sugeriu que Deus tirasse Sua proteção da vida de Jó, pois Satanás queria provar que Jó servia a Deus motivado no comércio e barganha entre Deus e o homem – “Se Tú, Criador, remover a proteção que colocaste ao seu redor, sem dúvidas ele te desprezarás” (Jó 1.9-10). As Escrituras são enfáticas de como Deus nos protege (Sl 91; Sl 121). O Adversário pede ao Criador que “REMOVA” essa proteção sobre seus bens materiais, família e saúde. Satanás dizia algo parecido com: “O que era bênção de Deus, se retiradas, por causa destas mesmas benção que se foram, passaria a ser as próprias maldições de um relacionamento comprado por Deus”. Ao mesmo passo que é bênção, ela pode ser maldição. A retórica também é correta: bênção-vira-maldição e maldição-vira-bênção. Tudo depende de sobre quem está sendo retirado a proteção. Ora! o Senhor soberano poderia rejeitar a proposta do Adversário, até para poupar seu servo da desgraça que lhe seria imposta… mas Deus sabia que as bênçãos retiradas se tornariam em bênçãos de qualquer maneira devido o temor que seu servo guardava pelo seu Deus. Mas, tirando Satanás fora de cena, Deus, de certa forma, sempre ESTÁ TIRANDO Sua proteção do crente quer por um motivo quer por outro, contudo com a mesma finalidade: “O Porque Servimos a Deus”, ou se preferir: “Eu sirvo a Deus com quais propósitos?”. O que estou dizendo é inteiramente bíblico. Certa vez Davi fugia de Saul e seu exército. Davi andava pelos montes, rios, matos e cavernas, mas certa vez ele encontrou uma Fortaleza para ficar – Ah que bom! Vou ficar aqui nessa Fortaleza. Contudo, o profeta Gade disse a Davi: “Não fique na fortaleza” (1 ªSm 22.5). Então ele foi para a Floresta de Herete. Em Dt 8 o próprio Deus já explica que os levou para o deserto com o fim de provar, humilhar e saber o que estava no coração do povo. Isso se repete constantemente. Deus quer que cada crente pergunte a si mesmo: “Porque eu sirvo a Deus?” ou “Eu temo a Deus debalde?”